Programação:

(clique aqui para ver a programação completa!)

 

Marcelo Marmelo Martelo

CENTRO CULTURAL BOQUEIRÃO

Ficha Técnica: Da obra de Ruth Rocha. Texto e Direção – Edson Bueno. Elenco – Wellington Silva, Patrícia Cipriano, Jefferson Bastos, Erick Alessandro. Figurino – Paulinho Maia. Cenografia e Adereços – Gelson Amaral. Sonoplastia – Célio Savi. Iluminação – Fernando Dourado. Direção de Produção – Marcio Roberto.

Uma das obras primas da literatura infanto-juvenil brasileira. É uma verdadeira revolução na maneira de contar histórias para as crianças, mostrando, ao invés de situações fantásticas, situações da vida cotidiana. Marcelo, um garoto urbano, é envolvido com problemas que dizem respeito ao convívio social e os relacionamentos. Tem jeito de poeta e por isso resolve inventar um dicionário todo próprio, tentando que as palavras combinem com seus significados e ao mesmo tempo alterando esse mesmo significado, dando nomes quase incompreensíveis a coisas compreensíveis. Por que não dizer “cabeceiro”, em vez de “travesseiro”? Ou “sentador” em vez de “cadeira”. Ou ainda “bom solário” e “bom lunário”, em vez de “bom dia” e “boa noite”!
Ao decidir falar do jeito que considera certo, toma uma decisão que lhe traz grandes problemas, mas abre as portas para que ele reconheça e se reconheça no outro. É um garoto espontâneo, criativo, engraçado e esperto. Em sua ânsia de descobrir novos mundos e, mais ainda, inventar um todo seu, ele passa por uma das experiências fundamentais da descoberta da vida: a ética do outro. Viver em seu próprio mundo não é suficiente. É preciso encontrar códigos de comunicação. E a comunicação não é o maior entrave para os relacionamentos? Não é pela sua ausência que conflitos e desentendimentos determinam transformações e ainda mais, determinam atrasos?
Marcelo é um personagem de ficção que, como todos nós, busca seus valores e o seu lugar no mundo. Pode vez ou outra, agir com algum egoísmo ou ainda, sofrer na forma com que busca compreender e ser compreendido na vida, mas está em constante evolução como criança e aprendendo, pela experiência, como ser uma criança feliz, fraterna e divertida. E ainda mais, como virar, no futuro, um adulto útil, bondoso, compreensivo e livre de preconceitos. Marcelo vai encontrando dificuldades em conviver com o outro em uma língua inventada por ele, mas que não é compreendida pelo seu interlocutor. Vivendo e aprendendo. Importante, mais que tudo, é que pela experimentação do original e do novo ele vai crescendo, mudando e revendo seus conceitos e pontos de vista.
QUI 26 – (M) 09h30 (T) 15h / SEX 27 – (M) 09h30

 

 

Flicts

MRG – PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

Ficha Técnica: Da obra de Ziraldo. Adaptação e Direção – Edson Bueno. Elenco – Abner Altair, Erick Alessandro, Jeff Bastos, Patricia Cipriano, Marcelo Rodrigues, Ney Mendes, Thiago Inácio e Wellington Silva. Coreografia – Inês Drumon. Iluminação – Rodrigo Ziolkwski. Figurinos – Zenor Ribas e Regina Celi. Composição musical – Rosi Greca. Sonoplastia – Cesart e Chico Nogueira. Cenário – Zenor Ribas, Edson Bueno e Márcio Roberto. Maquiagem – Jorge Sada e Lilian Marchiori.

FLICTS é o primeiro de tantos livros infantis de Ziraldo escreveu pensando nas crianças. O grande desenhista e escritor percebeu que o universo infantil é muito mais profundo que as fábulas e as histórias de fadas. A criança, principalmente urbana, que convive diariamente com o trânsito, com a violência social, com a miséria das ruas, com o preconceito que salta aos olhos, com a massificação das idéias e com a competição desenfreada dos tempos modernos; precisa de códigos e signos que possam orientá-la para em primeiro lugar compreender-se neste caos e logo a seguir compreender e respeitar o próximo.
FLICTS com a singela história de uma cor que não existe entre as que compõem o arco-íris desenvolve os preciosos temas da diferença, da auto-aceitação, do amor ao próximo, da necessidade de viver sem preconceitos. Tema importantíssimo, desenvolvendo a historia a partir de elementos tão conhecidos e ao mesmo tempo tão abstratos, como as cores, que na história de Ziraldo adquirem vida.
SÁB 28 – (T) 16H / DOM 29 (T) 15h / SEX 29 – (M) 11h30 / SEG 30 (M) 09h30, (T) 15h

 

 

SobreVoar

CIA DO ABRAÇÃO

Ficha Técnica: Projeto Santos Dumont para Crianças de Todas as Idades. Direção – Letícia Guimarães. Produção Executiva – Fabiana Ferreira. Dramaturgia – criação coletiva sob a supervisão de Letícia Guimarães. Coreografia e Preparação Corporal – Fabiana Ferreira. Assistente de Direção – Simão Cunha. Iluminação – Anry Aider. Cenografia – Marcelo Scalzo e Blas Torres. Figurinos – Maureen Miranda. Maquiagem – Raul Freitas. Sonoplastia e Composição Musical – Karla Izidro. Elenco – João Victor Theotônio, Fabiana Ferreira, Julia Bermudez e Simão Cunha. Operação de Sonoplastia – Letícia Guimarães. Operação de Luz – Edmundo Cezar. Cenotécnico e Video Maker – Blas Torres.

“SobreVoar” – Santos Dumont para crianças de todas as idades – mostra Santos Dumont criança, na figura do menino Albertinho Dumundo. Ele, como tantas outras crianças, é apresentado como um menino que vive numa dimensão de sonhos, onde os desafios e os obstáculos são vencidos após inúmeras tentativas, quedas e muita coragem para recomeçar e persistir para a realização de seu sonho de voar. Compartilhar todo o universo inventivo de suas tentativas e realizações aeronáuticas, enxergando Dumont como uma criança universal e atemporal, faz de suas quedas alavancas para alçar vôos mais altos.
SEX 03 – (M) 9h30, (T) 15h

 

 

Kafka – Uma Vigília

GRUPO DELÍRIO DE TEATRO

Ficha Técnica: Adaptação de Edson Bueno para as “Narrativas do Espólio”, de Franz Kafka. Um espetáculo do GRUPO DELÍRIO CIA. DE TEATRO. Direção – Edson Bueno. Elenco – Evandro Santiago, Gabriel Manita, Guilherme Fernandes, Robysom Souza, Rudi Meyer. Iluminação – Fernando Albuquerque Dourado. Sonoplastia – Edson Bueno. Figurinos – Áldice Lopes. Fotografia – Chico Nogueira.

O espólio artístico legado por Franz Kafka à posteridade é de uma extraordinária riqueza e variedade. Sabe-se que em vida, ele publicou apenas um texto de sua produção; o restante ficou aos cuidados do amigo Max Brod, que se recusou a tender ao pedido do autor para queimá-los. KAFKA – UMA VIGÍLIA toma como ponto de partida um pensamento de Franz Kafka, segundo o qual, os artistas têm como função “vigiar” o sono, aparentemente tranquilo, da humanidade. Escrever para Franz Kafka era uma espécie de obsessão, muitas vezes próxima ao sacrifício; mas se, por um lado havia sofrimento, por outro havia o grande escritor observando a humanidade e suas armadilhas e contradições de um ponto de vista cruel e seco, porém poético. Cinco vigias têm por função e destino, vigiar, e como qualquer artista, não podem relaxar de seu trabalho, sob pena de colocar por terra todo o destino humano. Nessa vigília eterna, eles questionam sua condição numa atitude tipicamente de “teatro do absurdo”, ao mesmo tempo em que fazem da imaginação e do humor negro, um exercício de verborragia que tem como único objetivo mantê-los acordados na vigília eterna. Kafka, em seus 41 anos de vida, cuidou de apontar para a sociedade, todos os seus mecanismos de desumanização e decadência. Fez da metáfora cruel a sua “arma” e com ela criticou a solidão e o vazio da existência, alicerçada na mesquinharia, no egoísmo e na pobreza de sentimentos: o homem e sua trágica passagem pela vida. Essa é a terceira vez que o Grupo Delírio Cia. De Teatro debruça-se sobre a obra de Franz Kafka, um objeto constante da pesquisa de linguagem e do teatro da palavra, estudo profunda da literatura e seu caminho para transportar-se do livro para o palco. Em “Kafka – Uma Vigília”, alguns contos clássicos do grande autor tcheco, fazem a dramaturgia: “À Noite”, “O Abutre”, “Uma Pequena Fábula”, “As árvores” e “A Toupeira”. É uma oportunidade única de ouvir a grande literatura de Franz Kafka, através do teatro do absurdo e do próprio absurdo da vida. É também um convite à reflexão e à arte que pede um outro olhar sobre a palavra, o gesto e a narrativa.
SÁB 04 – (N) 20h / DOM 05 (N) 20h

 

 

Sonho de uma Noite de Verão

CIA DO ABRAÇÃO

Ficha Técnica: Produção – Cia. do Abração. Texto – criação coletiva, livre adaptação da obra de Willian Shakespeare. Direção – Letícia Guimarães e Maurício Vogue. Apoio de pesquisa – Dra. Célia Arns de Miranda, especialista em Shakespeare. Pedagoga – Daniele Vieira. Coreografia – Fabiana Ferreira. Sonoplastia – César Sarti. Cenários e Figurinos – Eduardo Giacomine. Adereços – Olga Nenevê. Iluminação – Anry Aider. Elenco – Simão Cunha, Val Sales, Inés Gutiérrez e Moira Albuquerque. Operação de Luz – Anry Aider ou Blas Torres. Operação de Sonoplastia – Fabiana Ferreira.

A idéia central da Cia do Abração – Espaço de Arte e Cultura realizadora do Projeto Shakespeare para Crianças, é proporcionar aos pequenos e grandes um primeiro contato com a boa literatura, encenando o clássico shakespeareano “Sonho de Uma Noite de Verão”, partindo dos princípios da arte-educação, onde todos os artistas envolvidos no projeto estão conscientes do importante papel que representam como formadores de opinião. No Sonho de Uma Noite de Verão, adaptado pela Cia. do Abração, quatro velhinhos, contadores de estórias, que neste momento se encontram a serviço do Sr. Milkshakespeare, utilizam-se de objetos para contar a estória dos encontros e desencontros de dois casais. Desta forma, brincando de faz-de-conta com simples objetos do cotidiano, captando o mundo da criança que naturalmente os utiliza para criar o seu próprio imaginário, nossos contadores pretendem reavivar nos adultos a maneira de ver o mundo com os olhos da criança.
Assim, os personagens da estória original são representados por objetos do cotidiano. Um par de sapatos altos se transforma na heroína do dramaturgo inglês e um talco para os pés, o seu amado. Já os nossos doces velhinhos contadores da estória são vividos pelos atores. Nesta versão, os reis da floresta, responsáveis pelo equilíbrio e harmonia natural, brigam, não pelo seu pajem (como na estória original), mas pela posse do Livro dos Sonhos que, a nosso ver, pertence a todos. Assim, sublinhamos a idéia de que quando a natureza entra em desarmonia, todos, que neste mundo vivem, brigam e se desarmonizam. Além disto, propomos uma reflexão sobre o ciclo da vida, a infância e a velhice. Por isto, nossos simpáticos velhinhos acabam se tornando crianças ou libertando a criança que todos guardamos dentro de nós. Um dos objetivos desta montagem é sensibilizar o público com valores que possibilitem a reflexão sobre temas como a harmonia do planeta, sonhos compartilhados, perseverança, a capacidade modificadora e reformadora da arte, respeito às diferenças e a responsabilidade solidária.
TER 07 – (M) 09h30, (T) 15h

 

 

Quando a Criança era uma Criança

CIA REGINA VOGUE

Ficha Técnica: Dramaturgia – Letícia da Rosa. Produção – Cia. Regina Vogue. Realização – CENTEC & Cia. Regina Vogue. Direção – Mauricio Vogue. Co-direção – Richard Rebelo. Atuação – Maurício Vogue. Participação Especial – Giovana de Liz. Preparadora Corporal – Carmen Jorge. Iluminação – Waldo Leon. Cenografia & Adereços – Eduardo Giacomini. Músicas – Gilson Fukushima. VideoCenografia – Dim. Sonoplastia – Cesarti. Figurinos – Maureen Miranda.

Quando a criança era uma criança é o novo trabalho da Cia. Regina Vogue, que marca a volta aos palcos do consagrado ator e diretor de espetáculos para criança, Mauricio Vogue.
Quando a criança era criança é uma visão poética da infância nos dias de hoje. O trabalho mescla, com certa
nostalgia, o universo fabuloso e sonhador de um garoto que cresceu viajando com uma trupe mambembe de teatro, ao dos modernos recursos eletrônicos que invadem a vida das crianças de hoje. Essa fusão de dois tempos diferentes – passado e presente – nos dá a possibilidade de nos comunicar com crianças e adultos.
Adultos ainda conservam em si as sensações do seu tempo de criança? Nos parece que sim. Em algum ponto, a essência do ser permanece intacta. Por isso, o espetáculo se comunica não somente com crianças, mas também com pais e adultos que, de maneira direta ou indireta, atuam no seu desenvolvimento. Assim, nasce um trabalho artístico que fala de assuntos de extrema importância na criação das crianças de hoje, com um toque especial de poesia.
QUI 09 (M) 09h30, (T) 15h

 

 

Teimosinho e Mandão

MRG – PRODUÇÕES ARTÍSTICAS

Ficha Técnica: Da obra de Ruth Rocha. Texto e Direção – Edson Bueno (adaptação do livro infantil: “Dois idiotas sentados cada qual no seu barril” de Ruth Rocha). Diretor de Produção – Márcio Roberto. Elenco – Marcelo Rodrigues e Jairo Bankhardt. Cenário e Figurino – Ricardo Garanhani. Adereços – Adriana Esposito. Sonoplastia – Célio Savi. Iluminação – Rodrigo Ziolkowski. Assistência de Produção – Rodrigo Bozza. Operador de Som – Rodrigo Bozza e Heleno Moura. Contra-regras – Gerônimo de Melo e Luiz Henrique.

MELHOR ESPETÁCULO INFANTIL DO PARANÁ EM 2008 – Troféu Gralha Azul.
É importante dialogar com as crianças sobre diferenças, desavenças, desencontros e teimosias. Por um lado elas podem representar pontos de vista sólidos e significar traços de personalidade firme, necessários a uma vida útil e benéfica. Por outro lado, pode significar o princípio da animosidade, da teimosia estéril, da não aceitação das diferenças e por fim, o nascedouro da incompreensão do outro, o que leva à guerra.
Ruth Rocha, quando criou os singelos (mas perigosíssimos) Teimosinho e Mandão, sabia que estava falando de um dos temas mais modernos e caros de nossos tempos: a incompreensão do outro. Toda existência pacífica, toda a possibilidade de encontro, toda a beleza da diferença, toda a singeleza e grandeza do amor, se esvaem pelo ralo da incompreensão bélica. Duas criaturas rígidas que não compreendem a beleza da maleabilidade, não se vêem um no outro, condição primordial para que a paz e o amor floresçam e dêem novos frutos. Os homens precisam se admirar mais pelo que não têm em comum do que pelo que têm. Teimosinho e Mandão não conseguem viver próximos um do outro sem se digladiarem pelas mínimas coisas. Como se um mesmo substantivo não pudesse ter dois significados. E é na reflexão sobre os diversos significados que Ruth Rocha usa e abusa destes dois personagens, que pelos seus próprios nomes são definidos em suas posturas de vida.
A adaptação para uma peça de teatro busca abrir uma janela, uma possibilidade, para que Teimosinho e Mandão possam curtir a vida sem que, em nome do didático, tenham que pagar com a própria vida o preço de suas teimosias e mandonices.
SEX 10 (M) 09h, 10h